domingo, 23 de setembro de 2012

Pagando uma dívida com a Laje de Santos

Caros amigos leitores deste blog. Como escrevi em meu post anterior, falar sobre as recentes aventuras no Parque Marinho da Laje de Santos em um único texto seria injusto para com este belo santuário e com as histórias. Por isso, o post de hoje é dedicado ao meu retorno à Laje, o pagamento de uma dívida para com ela.

Por uma incrível coincidência, na semana seguinte a primeira aventura, o meu instrutor Cesar Gentile (Cesar Dive Team) iniciou a organização de um grupo para ir até a Laje, e com a operação do Armando com a Nautilus. Eis que vi uma enorme oportunidade de pagar a minha dívida com aquele lugar incrível e retornar, e ainda com mais segurança, pois estaria com um grupo de mergulhadores conhecidos. Não tive dúvidas, fechei com o Cesar na hora.

Dias antes de nossa aventura, comprei meu computador Oceanic VT4 com o Cesar, o que me auxiliaria a fazer um registro mais completo, ou seja, eu iria administrar um novo equipamento neste mergulho. Mas eu estava um pouco mais tranquilo em ter de descer com o computador pois ele me daria muito mais segurança e ajudaria na administração do consumo de ar, intervalo, profundidade entre outras coisas.

Então, no dia  02 de setembro, estávamos lá novamente na Capri Marina em São Vicente, cedinho, preparando os equipamentos, desta vez montando boa parte antes de sair com a Nautilus II e outra parte montamos ao longo do caminho. Armando deu o briefing para todos e partimos nós para a Laje, num trajeto de 1 hora e 20 minutos aproximadamente.

Ao chegarmos no Parcel das Âncoras na Laje, a temperatura do dia estava em torno de 26 graus, a água em 20 graus e visibilidade de 15 metros.

Após nos vestirmos, colocar os equipamentos partimos todos para a água. Cesar Gentile distribuiu o grupo, e os 05 que precisavam de um maior acompanhamento foi com o Fabio Lobassi (que aliás, desta vez contou histórias fantásticas de seus mergulhos nas Bahamas com tubarões), e eu estava entre estes,  pois assim tanto o Cesar quanto o Edimar Barbosa e o  José Correia poderiam observar e apoiar o grupo.

Eu estava com lastro de 10 kg, cilindro com pressão inicial em 200 bar. Mas ao descer todo o filme me passou pela cabeça e lá estava eu na superfície quase abortando o mergulho, pois não conseguia controlar a respiração com fobia novamente. Então o Cesar, subiu, me ajudou a me acalmar, me puxou pelo braço para conseguir descer e por um bom mergulhei ao seu lado, até que pude me soltar e ir sozinho, acompanhando o grupo. Chegamos a 18 metros e mergulhei por cerca de 13 minutos, pois no retorno durante uma correnteza eu acabei subindo e não conseguindo acompanhar novamente o grupo lado a lado. Pensei então que para o segundo, eu deveria descer com mais peso no cinto de lastro. Ao longo de todo o tempo logo depois de controlar bem a minha respiração me acalmei e aí foi um passeio fantástico. Consegui equilibrar muito bem a minha flutuabilidade, respeitando uma orientação de não levantar sedimentos. Liguei a minha câmera e saí filmando indiscriminadamente, vocês poderão ver as minhas imagens logo abaixo nos vídeos que postei no Youtube. Encontramos 05 Raias Manteigas (Dasyatis americana), muitos cardumes, entre as espécies uma que chamou a atenção foi a das Garoupas. A pressão final em meu cilindro era de 80 bar.

Com todos na superfície, o Cesar deu uma chamada geral e em alguns mergulhadores em especial, na minha opinião correntamente, sobre os cuidados para acompanhar o dupla entre outras coisas. Fizemos um lanche para aguardar o tempo de descompressão e eliminação de hidrogênio da corrente sanguínea para realizarmos a 2a descida. Eis um novo erro que cometi. Comer pão com salsicha não é muito bom, pois senti um certo mal estar no 2o mergulho. Este intervalo foi de 1 hora e 14 minutos.

Novamente com o cilindro em 200 bar, desci, e desta vez controlando melhor a minha respiração muito bem. Outra vez eu estava no grupo do Lobassi. Porém, o outro lado da ilha para a qual resolvemos seguir não possuia muita vida marinha, mas a visibilidade me parecia melhor, talvez por estar no grupo da frente em que ninguém levantava sedimentos. Como falei, o lanche não me bateu bem, e a temperatura da água desceu para uns 18 graus em alguns trechos, fazendo com que na hora eu sentisse um pequeno enjôo, com uma sensação de engasgar com a própria saliva, e com esta baixa temperatura a sinusite atacou, me dando uma dor de cabeça em que fui obrigado a abortar depois de um tempo. Mas desta vez o meu procedimento foi muito correto. Fui até o Dive Master, Fabio, avisei-o que não estava bem, e queria subir. Ele me acompanhou, verificou como eu estava na superfície, eu lhe informei o ocorreu e pedi para que ele voltasse para guiar o grupo que eu voltava ao barco pela superfície nadando tranquilamente. Fui elogiado posteriomente por ele e pelo Cesar, pois adotei todos os procedimentos corretos, o que me deixou muito feliz, pois demonstrou que eu estava praticando correntamente o que tenho aprendido em todas as aulas e mergulhos.

Com tudo isso, eu tiro mais boas lições. Estou melhorando aos poucos minha performance. Cesar me disse que é muito comum ocorrer este tipo de problema com quem está iniciando, e que minha postura em todos os casos demonstram eu ter um perfil de mergulhador técnico. Se serei ou não aí é uma outra coisa. Mas, comecei a afastar os meus traumas iniciais e com toda a certeza voltarei para a Laje para pagar as demais parcelas da dívida com este maravilhoso santuário, muito preservado graças ao trabalho da ONG Laje Viva.

Ah, e antes que eu me esqueça, vale mencionar que além do Cesar Gentile, Fabio Lobassi, Edimar Barbosa e José Correia que eu citei ao longo deste post, estiveram também no mergulho outros amigos que estão no meu perfil no Facebook: Marcelo GonçalvesRegis Blaustein, Simone Cascardo e o Fabinho, Glauco Simionato, Halsey Costa Resende, Marcos Gopfert Cetrone, Valdomiro Siviero e seu filho. À todos, o meu muito obrigado por me proporcionarem mais este novo momento de aprendizado.

Bem, é isso aí meus amigos. Espero que tenham gostado destes novos relatos.

Até a próxima!


Parcel das Âncoras

A Laje de Santos

Raia Manteiga

O encanto de algumas espécies

 Linda imagem depois de editar

Mais uma espécie encantandora

Passeando pelos cardumes

A Garoupa

Equipe se preparando para o 2o mergulho

 
 Vídeo do 1o mergulho

 
Vídeo do 2o mergulho

Um comentário:

  1. Foi muito bom!!! O tempo e o mar ajudaram pois a previsao nao era boa. Me avisa quando for pagar as outras parcelas, esse tipo de pagamento eu sempre ajudo os amigos.
    Bons mergulhos e grande abraco.
    Regis Blaustein.

    ResponderExcluir